Extrema: Vereadores da base do ex-prefeito entram com pedido de e CPIs no legislativo

Redação - Cláudio Coutinho14 de fevereiro de 20206min0
As três CPIs versam sobre denúncias já feitas pelo vereador Péricle Mazzi (Pepi)

Através de nossa página nas redes sociais e de alguns cidadãos residentes no município de Extrema, nossa redação recebeu questionamento sobre o assunto CPIs que hoje é tema que mais chama atenção da população extremense.

Entre os questionamentos, os pedidos de CPIs foram feitos na ultima sessão ordinária do parlamento pelos vereadores João Calixto de Morais, Izabel de Campos, Luiz Fernando Ferreira (Mantega) e Edvaldo dos Santos Junior (Juninho da Dello). Levando em conta que a base do ex-prefeito conta ainda com o voto do vereador Péricle Mazzi, as CPIs somente prosseguirão caso a presidência do legislativo acate os pedidos e a possibilidade de êxito que possa levar a condenação do atual prefeito, será se um dos vereadores que são da base do mesmo resolva mudar de lado.

Fatos velhos e conhecidos

As CPIs protocoladas versam sobre temas que já são de pleno conhecimento da grande maioria dos extremenses, uma vez que, através de nosso Portal de Noticias e de um veículo impresso de Bragança Paulista foi dada, durante o ano de 2019, ampla divulgação das denuncias feitas pelo vereador Péricle Mazzi (Pepi) que foram encaminhadas ao plenário da Câmara com pedido de CPI, bem como protocoladas no âmbito da justiça, esfera em que se encontram até hoje sem uma definição. (Vejam matéria publicada em nosso Portal no link a seguir): https://suldeminasnaweb.com.br/2019/06/30/exclusivo-sessao-da-camara-de-extrema-nesta-2a-feira-podera-autorizar-instalacao-de-cpi-contra-o-prefeito-joao-batista/

Pedidos extemporâneos?

Embora as denúncias do vereador Pepi, tenham sido embasadas em farta documentação que foram objeto de análise do Ministério Público que tornou réus os denunciados, nenhum dos vereadores acima pediram as CPIs na época em que os assuntos ainda estavam quentes e eram debatidos pela sociedade extremense. Isso pode deixar nas entrelinhas que os três pedidos seriam uma espécie de retaliação ao caso SAMU, pois somente agora, após o pedido de CPI no caso Prefeitura X Samu e que envolve o nome do ex-prefeito ao qual são fiéis escudeiros (e não poderia ser diferente) pelo menos dois dos temas fundamentaram as denuncias de Péricle Mazzi e foram por eles desdobrados e entregues ao legislativo. Em todos os pedidos os signatários são os mesmos acima citados.

Os temas que fundamentam os pedidos

Segundo pudemos apurar os assuntos que geraram os pedidos foram:

1 – o que trata da empresa LDO Consultoria Tributaria e Treinamento cujo titular é um  sobrinho por afinidade;

2 – o que trata da contratação da empresa de GESTÃO ADMINISTRATIVA, cujo titular seria outra pessoa liga familiarmente ao prefeito;

3 – o caso da compra de um terreno que, segundo estaria constando na denuncia seria de propriedade da primeira dama ou alguém de sua família.

Sobreposição de CPIs

Em contato com a Assessoria da Câmara, fomos informados que o setor jurídico está analisando os pedidos. O retorno enviado para nossa redação traz a seguinte resposta: “a Casa de Leis de Extrema trabalha para analisar quaisquer pedidos de CPIs que forem protocolados e neste momento devido à existência de uma CPI aberta em 2019 contra a Copasa, as demais CPIs estão no Departamento Jurídico do Poder Legislativo para análise, uma vez que a legislação prevê que podem tramitar na Casa de Leis no máximo 4 (quatro) pedidos de CPIs e como a CPI contra a Copasa sequer foi concluída e seus resultados não foram divulgados a quem de Direito, ou seja, a população, considerando ainda que foi protocolado este ano o primeiro pedido de CPI referente a questão do convênio Prefeitura X Samu, as três CPIS protocoladas esta semana encontram-se em análise que irá orientar a secretaria quais serão os procedimentos a serem tomados”.

Conclusão

Devido aos fatos acima somente duas das três CPIs protocoladas pela base do ex-prefeito poderão seguir os procedimentos, isso após análise do jurídico da Casa de Leis e ainda após passar pelo crivo do presidente da Câmara que poderá ou não acatar as mesmas.

O que se espera é que em todos os casos de denuncias e pedidos de CPI, onde houver a confirmação dos fatos a justiça seja feita. Vamos aguardar os acontecimentos para continuar fazendo o nosso papel de informar com isenção os fatos e levar noticias de interesse comum para os nossos leitores.

Redação - Cláudio Coutinho


    Deixa um Comentário

    Seu email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *